Adaptação Climática

Adaptação às Alterações Climáticas

“O aumento do conhecimento e da consciencialização sobre alterações climáticas e sobre os impactes verificados e esperados sobre os mais variados sistemas naturais, a actividade económica, o tecido social e mais genericamente sobre a vida de todos os cidadãos tem vindo a ditar um crescente interesse pelo desenvolvimento de políticas de adaptação às alterações climáticas um pouco por todo o globo.”

Resolução do Conselho de Ministros n.º 24/2010
Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas

 

As Alterações Climáticas despoletam um conjunto de efeitos nos sistemas naturais e sociais, como fenómenos naturais extremos, disrupção nos ciclos de produção agrícola e na disponibilidade de outros recursos vitais como a água, destruição de habitats e ecossistemas, que, em cadeia, vão alimentando ciclos prejudiciais ao equilíbrio e às funções naturais básicas de suporte à vida e às actividades humanas.

A dupla via de combate às Alterações Climáticas faz-se pelo lado da mitigação (expressa de forma simples pela redução das emissões de Gases de Efeito Estufa) e pelo lado da adaptação.

Esta última significa que, sendo demasiado tarde para evitar muitos dos efeitos nocivos decorrentes das Alterações Climáticas, é possível actuar, preparando-nos para o impacte desses efeitos. Assim, a Adaptação às Alterações Climáticas traduz-se inevitavelmente numa forte componente de inovação e desenvolvimento de soluções de melhorem a capacidade de resposta face às mudanças de contexto climático, aumentando a resiliência (ou pelo menos reduzindo a vulnerabilidade) dos sistemas naturais e sociais.

 

As PME e a Adaptação às Alterações Climáticas

As PME, como qualquer outra organização, encontram no planeamento estratégico um instrumento de orientação no que será o seu caminho de crescimento e desenvolvimento. Uma das componentes desse planeamento estratégico é a análise de risco, preparando a organização para os potenciais perigos e bloqueios ao desenvolvimento das suas actividades, onde as alterações climáticas se impõem como um risco real a muitas das actividades económicas, já que acarretam consigo:

  • possibilidade de estrangulamentos, escassez e indisponibilidade nas cadeias de produção e abastecimento
  • novas condições ambientais (por exemplo humidade e temperatura) que podem conduzir a alterações nas características dos produtos
  • desadequação dos produtos ou serviços por deixarem de ser úteis sob as novas condições existentes
  • necessidade de protecção das suas instalações no caso de estarem em localizações mais susceptíveis a eventos climáticos extremos (ondas de calor, pluviosidade extrema, ventos fortes e outros)

A adaptação às alterações climáticas é um caminho de elevado potencial para as PME, já que incluem processos de inovação para o desenvolvimento de novas respostas, produtos, serviços que aumentem a sua resiliência e consequentemente a sua competitividade. Acresce ainda que o contexto PME permite abordagens mais ágeis e menos intensivas ao nível do investimento de recursos (materiais ou humanos), posicionando estas organizações enquanto exemplos e detentoras de know-how, que pode ele próprio ser valorizado.

Links de Interesse

APA - Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas 

APA - Adaptação Climática – Guião para Empresas

IPCC - Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas